ban
Pesquisa no Guia Pet




guias_web
Guia da Embalagem
Guia Construir e ReformarGuia da CulinariaGuia do Turismo e Lazer





submarino


voltar
<<< Anterior Próxima >>>


ESCOLHA O TAMANHO DA FONTE - A - A

23/06/2020
Fim da quarentena e a relação com os pets

Especialista dá dicas para tornar o processo menos doloroso para donos e pets

Fim da quarentena e a relação com os pets



Para algumas pessoas, o home office foi um período cheio de novidade e ideal para desfrutar da companhia de seus animais de estimação. Alguns aproveitaram ainda para adotar um novo amigo. No entanto, com a quarentena sendo afrouxada e os tutores precisando retornar as sus atividades longe de casa, os animais podem sofrer com o distanciamento repentino. “Os cães são altamente sociais, e é por isso que nos damos tão bem com eles, por outro lado, se eles se veem em uma situação onde todos estão em casa e de repente não estão mais, isso pode levar a alguns problemas comportamentais” – afirma o adestrador Bruno Moreno.

Alguns, são geneticamente predispostos ao problema, mas a ansiedade de separação pode ser desencadeada a qualquer momento, como consequência de um evento traumático, como ir parar em um abrigo ou por uma mudança drástica e repentina na rotina. De acordo com o especialista os cães se sentem mais seguros quando estão na companhia de membros de sua matilha, seus donos ou outros cães. Por isso, é necessário que o tutor vá deixando o pet sozinho de maneira gradual, até voltar a rotina. Com isso, o momento da separação total não será tão traumático.

A ansiedade de separação é um dos distúrbios comportamentais mais desafiadores para os cachorros. Os pets que sofrem com esse distúrbio não gostam apenas de ficar longe de seus tutores; eles sofrem de ataques de pânico quando deixados sozinhos. “Durante um episódio, o cachorro pode exibir uma variedade de comportamentos induzidos pelo estresse, como uivar ou latir sem parar, destruir móveis, desenterrar o quintal, deixar de comer, ficar paralisado em frente a porta, entre outros” – pontua.

Por isso, uma das coisas mais importantes que os donos podem fazer agora é estabelecer uma rotina que se assemelhe àquela que eles tinham antes da quarentena. “Permita que seu animal de estimação tenha um tempo a sós. Você tem o seu espaço e ele tem o deles. E mesmo que você não saia de casa, coloque o animal atrás de um portãozinho ou em um ambiente separado para a adaptação, mas sempre ofereça algo que ele goste (como petiscos ou brinquedos de roer) para que não pareça um castigo” – resume.

A boa notícia é que, para qualquer cão que demonstre sinais de pânico nessa fase de adaptação, este é um ótimo momento para trabalhar e melhorar a resposta dele ao ficar sozinho, lembre-se que você ainda está em Home-Office e se aproveite disso para iniciar esse processo gradual de usar pequenas ausências que começam a ensinar o pet que ficar sozinho em casa é seguro e tranquilo.

Bruno alerta ainda para o momento do reencontro entre pet e tutor. Geralmente quando o cão encontra o seu dono, ele vai correndo para brincar e ganhar carinho e isso pode gerar uma crise de ansiedade, já que assim que ele notar que está sozinho vai começar a esperar pela chegada de alguém e quanto mais tempo isso durar, pior será para ele. “A dica aqui é, chegue, guarde suas coisas, lave as mãos, espere ele acalmar e aí sim, abaixe e brinque com ele. Não o agrade quando ele estiver pulando igual pipoca” – finaliza.

E embora seja importante dar um pouco de espaço ao cachorro durante o dia, é igualmente importante não reter a afeição quando estão juntos. “Dê amor ao seu bichinho de estimação, dê atenção e não pense que eles precisam pedir tudo sentado. Nada disso tem a ver com o seu cão ter ansiedade de separação. Na verdade, alguns podem até mesmo piorarem sem a atenção dos donos. Isso é estranho para eles e pode causar estresse'' – reforça Bruno Moreno.

Outras formas de treinamento em casa podem facilitar a transição do seu cão para um tempo mais frequente sozinho. Aumentar a interatividade e a familiaridade do cachorro com diferentes formas de distração também é valioso. ''Crie um ambiente em que o pet realmente goste, com brinquedos interativos para alimentação, por exemplo. Todavia, é importante que o dono não se culpe e lembre que saber deixar o animal sozinho é sinal de cachorro feliz e independe” - finaliza.

Quer saber mais como o adestrador pode te ajudar? Siga-o nas redes sociais: @segredodoadestramento
Fim da quarentena e a relação com os pets

Especialista dá dicas para tornar o processo menos doloroso para donos e pets.

Para algumas pessoas, o home office foi um período cheio de novidade e ideal para desfrutar da companhia de seus animais de estimação. Alguns aproveitaram ainda para adotar um novo amigo. No entanto, com a quarentena sendo afrouxada e os tutores precisando retornar as sus atividades longe de casa, os animais podem sofrer com o distanciamento repentino. “Os cães são altamente sociais, e é por isso que nos damos tão bem com eles, por outro lado, se eles se veem em uma situação onde todos estão em casa e de repente não estão mais, isso pode levar a alguns problemas comportamentais” – afirma o adestrador Bruno Moreno.

Alguns, são geneticamente predispostos ao problema, mas a ansiedade de separação pode ser desencadeada a qualquer momento, como consequência de um evento traumático, como ir parar em um abrigo ou por uma mudança drástica e repentina na rotina. De acordo com o especialista os cães se sentem mais seguros quando estão na companhia de membros de sua matilha, seus donos ou outros cães. Por isso, é necessário que o tutor vá deixando o pet sozinho de maneira gradual, até voltar a rotina. Com isso, o momento da separação total não será tão traumático.

A ansiedade de separação é um dos distúrbios comportamentais mais desafiadores para os cachorros. Os pets que sofrem com esse distúrbio não gostam apenas de ficar longe de seus tutores; eles sofrem de ataques de pânico quando deixados sozinhos. “Durante um episódio, o cachorro pode exibir uma variedade de comportamentos induzidos pelo estresse, como uivar ou latir sem parar, destruir móveis, desenterrar o quintal, deixar de comer, ficar paralisado em frente a porta, entre outros” – pontua.

Por isso, uma das coisas mais importantes que os donos podem fazer agora é estabelecer uma rotina que se assemelhe àquela que eles tinham antes da quarentena. “Permita que seu animal de estimação tenha um tempo a sós. Você tem o seu espaço e ele tem o deles. E mesmo que você não saia de casa, coloque o animal atrás de um portãozinho ou em um ambiente separado para a adaptação, mas sempre ofereça algo que ele goste (como petiscos ou brinquedos de roer) para que não pareça um castigo” – resume.

A boa notícia é que, para qualquer cão que demonstre sinais de pânico nessa fase de adaptação, este é um ótimo momento para trabalhar e melhorar a resposta dele ao ficar sozinho, lembre-se que você ainda está em Home-Office e se aproveite disso para iniciar esse processo gradual de usar pequenas ausências que começam a ensinar o pet que ficar sozinho em casa é seguro e tranquilo.

Bruno alerta ainda para o momento do reencontro entre pet e tutor. Geralmente quando o cão encontra o seu dono, ele vai correndo para brincar e ganhar carinho e isso pode gerar uma crise de ansiedade, já que assim que ele notar que está sozinho vai começar a esperar pela chegada de alguém e quanto mais tempo isso durar, pior será para ele. “A dica aqui é, chegue, guarde suas coisas, lave as mãos, espere ele acalmar e aí sim, abaixe e brinque com ele. Não o agrade quando ele estiver pulando igual pipoca” – finaliza.

E embora seja importante dar um pouco de espaço ao cachorro durante o dia, é igualmente importante não reter a afeição quando estão juntos. “Dê amor ao seu bichinho de estimação, dê atenção e não pense que eles precisam pedir tudo sentado. Nada disso tem a ver com o seu cão ter ansiedade de separação. Na verdade, alguns podem até mesmo piorarem sem a atenção dos donos. Isso é estranho para eles e pode causar estresse'' – reforça Bruno Moreno.

Outras formas de treinamento em casa podem facilitar a transição do seu cão para um tempo mais frequente sozinho. Aumentar a interatividade e a familiaridade do cachorro com diferentes formas de distração também é valioso. ''Crie um ambiente em que o pet realmente goste, com brinquedos interativos para alimentação, por exemplo. Todavia, é importante que o dono não se culpe e lembre que saber deixar o animal sozinho é sinal de cachorro feliz e independe” - finaliza.

Quer saber mais como o adestrador pode te ajudar? Siga-o nas redes sociais: @segredodoadestramento




Fonte: Publikaí



COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA







 
 
Guia Pet & Cia 2008-2020 ©, uma empresa do Grupo Guias Web - Todos os direitos reservados
Normas de uso - Política de privacidade

CSS vlido! Valid XHTML 1.0 Transitional